Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Biblioteca Escolar ESJP

08
Mar22

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA | Fase Municipal – Resultado

BE - ESJP

PNL2021_CNL_PecasDigitais_Instagram_Face.jpg 

Ontem, 07/03/2022, teve lugar a Fase Municipal do Concurso Nacional de Leitura, na qual nos apresentamos com os alunos vencedores da Fase Escolar, da nossa Escola.

Para grande satisfação de toda a nossa Comunidade Escolar, comunicamos que os alunos Maria Benedita Neves do 8.º I, e Rodrigo Santos, do 8.º A, irão representar a nossa escola na Fase Intermunicipal do Concurso, ao nível do Ensino Básico.

O aluno Francisco Soares, do 10.º E ,irá representar a nossa escola, na referida Fase, ao nível do Ensino Secundário.

Agradecemos a todos os alunos e demais intervenientes e parceiros que colaboraram na realização desta 2.ª fase do Concurso Nacional de Leitura.

 

10
Fev22

ALBERT CAMUS | AUTOR DO MÊS PNL

BE - ESJP

Albert-Camus.jpg 

Albert Camus nasceu em Mondovi, na Argélia, a 7 de novembro de 1913. Licenciado em Filosofia, participou na Resistência francesa durante a Segunda Guerra Mundial e foi então um dos fundadores do jornal de esquerda Combat. Em 1957 foi consagrado com o Prémio Nobel da Literatura pelo conjunto de uma obra que o afirmou como um dos grandes pensadores do século XX. Dos seus títulos ensaísticos destacam-se O Mito de Sísifo (1942) e O Homem Revoltado (1951); na ficção, são incontornáveis O Estrangeiro (1942), A Peste (1947) e A Queda (1956). A 4 de janeiro de 1960, Camus morreu num acidente de viação perto de Sens. Na sua mala levava inacabado o manuscrito de O Primeiro Homem, texto autobiográfico que viria a ser publicado em 1994.

 

08
Fev22

O ESTRANGEIRO | O FILME DE LUCHINO VISCONTI

BE - ESJP

 

Baseado no romance O estrangeiro, de Albert Camus, narra a história de Meursault (Marcello Mastroianni), um funcionário argelino que - imerso a mais completa indiferença à vida após assistir ao enterro da mãe e começar caso amoroso com uma ex-colega de trabalho - acaba cometendo, sem qualquer premeditação, o assassinato de um árabe numa praia e é levado a julgamento. Dirigido pelo mestre Luchino Visconti, o filme capta toda a atmosfera de trágica gratuidade criada por Camus.

08
Fev22

UM AUTOR POR MÊS PNL | ALBERT CAMUS

BE - ESJP

albert_camus.jpg 

«Não sou filósofo, e por isso não posso falar senão daquilo que vivi. Vivi o niilismo, a resistência, a violência e a vertigem da destruição. Ao mesmo tempo, festejei o poder de criar e o esplendor da vida. Nada me autoriza, por isso, a julgar de uma forma sobranceira a época com a qual sou inteiramente solidário. Julgo-a a partir do seu interior, confundindo-me todos os dias com ela. Mantenho, no entanto, o direito de dizer sempre aquilo que sei sobre mim e sobre os outros, na condição única de que tal não sirva para aumentar a insuportável infelicidade do mundo, mas sim para designar, nos muros obscuros que vamos tacteando, os lugares ainda invisíveis ou as portas que podem ser abertas.»  in Actuelles II, 1953

LER+

 

08
Fev22

LIVRO DO MÊS DA B.E. | LUÍS SEPÚLVEDA

BE - ESJP

LuisSepulveda-16042020.jpg 

Foi a 4 de outubro de 1949, na localidade chilena de Ovalle, a mais de 300 km a norte da capital, Santiago, que nasceu Luis Sepúlveda. Filho de um militante do Partido Comunista e proprietário de um restaurante, e de uma enfermeira de origens mapuche (um povo indígena da região centro-sul do Chile e do sudoeste da Argentina), Luis Sepúlveda cresceu no bairro San Miguel de Santiago e estudou no Instituto Nacional, onde começou a escrever por influência de uma professora de História.
Aos 15 anos ingressou na Juventude Comunista do Chile, da qual foi expulso em 1968. Depois disso, militou no Exército de Libertação Nacional do Partido Socialista. Após os estudos secundários, ingressou na Escola de Teatro da Universidade de Chile, da qual chegou a ser diretor. Anos mais tarde, licenciou-se em Ciências da Comunicação pela Universidade de Heidelberg, na Alemanha.
Da sua vasta obra – toda ela traduzida em Portugal –, destacam-se os romances O Velho que Lia Romances de Amor e História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar. Mas todos os seus livros conquistaram em todo o mundo a admiração de milhões de leitores.
Em 2016, recebeu o Prémio Eduardo Lourenço – que visa galardoar personalidades ou instituições com intervenção relevante no âmbito da cooperação e da cultura ibérica –, uma honra que definiu como «uma emoção muito especial».
Para além de romancista, foi realizador, roteirista, jornalista e ativista político. Em 1970 venceu o Prémio Casa das Américas pelo seu primeiro livro, Crónicas de Pedro Nadie, e também uma bolsa de estudo de cinco anos na Universidade Lomonosov de Moscovo. No entanto, só ficaria cinco meses na capital soviética, uma vez que foi expulso da universidade por “atentado à moral proletária”. Membro ativo da Unidade Popular chilena nos anos 70, teve de abandonar o país após o golpe militar de Augusto Pinochet. Viajou e trabalhou no Brasil, Uruguai, Bolívia, Paraguai e Peru. Viveu no Equador entre os índios Shuar, participando numa missão de estudo da UNESCO. Em 1979 alistou-se nas fileiras sandinistas, na Brigada Internacional Simon Bolívar, que lutava contra a ditadura de Anastácio Somoza. Depois da vitória da revolução sandinista, trabalhou como repórter.
Em 1982 rumou a Hamburgo, movido pela sua paixão pela literatura alemã. Nos 14 anos em que lá viveu, alinhou no movimento ecologista e, enquanto correspondente da Greenpeace, atravessou os mares do mundo, entre 1983 e 1988. Em 1997, instalou-se em Gijón, em Espanha, na companhia da mulher, a poetisa Carmen Yáñez. Nesta cidade fundou e dirigiu o Salão do Livro Ibero-americano, destinado a promover o encontro de escritores, editores e livreiros latino-americanos com os seus homólogos europeus.
Luis Sepúlveda vendeu mais de 18 milhões de exemplares em todo o mundo e as suas obras estão traduzidas em mais de 60 idiomas. Em Portugal, era presença assídua na Feira do Livro de Lisboa, em sessões de autógrafos onde era bem visível o carinho do público português pelos seus romances, e esteve presente em quase todas as 21 edições do Festival Correntes d’Escritas, na Póvoa do Varzim, a última das quais entre 18 e 23 de fevereiro de 2020.
A 29 de fevereiro de 2020, Luis Sepúlveda foi diagnosticado com Covid-19, naquele que seria o primeiro caso de infeção nas Astúrias, e consequentemente internado no Hospital Universitário Central de Astúrias, onde veio a falecer a 16 de abril.

08
Fev22

SEMANA DA LEITURA | 7 A 11 DE MARÇO

BE - ESJP

PNL2021_SemanaLeitura_portal.jpg 

LER! A QUALQUER HORA EM QUALQUER LUGAR!

Este ano, novamente em versão semipresencial,convidamos escolas e entidades públicas e privadas a promoverem atividades para festejar a leitura como ato de prazer, de imaginação e de conhecimento, lugar de encontro, criativo e colaborativo.

Registe no SIPNL a(s) iniciativa(s) que planeia concretizar e partilhe connosco as experiências vividas nesta semana. Vamos criar uma rede de palavras, vozes e textos que revele a leitura e a escrita como expressões de saber e de liberdade.

Inspire-se nos nossos desafios, acrescente as suas ideias, mobilize a comunidade.

Participe!

Ver programa AQUI

 

07
Fev22

LIVRO DO MÊS DA B.E. | FEVEREIRO

BE - ESJP

273021703_481685026733070_919919977430572304_n.jpg 

Luis Sepúlveda, escritor, argumentista e diretor de cinema chileno, vivia em Gijón (Astúrias) desde 1997.

Na nota da Porto Editora é lembrado que o autor chileno era presença assídua na Feira do Livro de Lisboa, em sessões de autógrafos onde era bem visível o carinho do público português pelos seus romances.

Sepúlveda esteve presente em quase todas as 21 edições do Festival Correntes d'Escritas, na Póvoa do Varzim, a última das quais entre 18 e 23 de fevereiro de 2020.

Morreu em Abril de 2020, vítima de Covid-19

20
Jan22

O ESTRANGEIRO | CAMUS E O EXISTENCIALISMO

BE - ESJP

o_estrangeiro012.jpg

O livro “O Estrangeiro”, Albert Camus nos fala sobre o significado da vida humana, que só pode ser entendida no momento da morte. Ou seja, apenas quando enfrenta a possibilidade da morte é que uma pessoa obtém uma percepção acurada da vida.

Nesse livro, Camus introduz a sua filosofia do absurdo expressa a teoria de que a humanidade vive em um mundo que lhe será sempre indiferente. Camus foi um dos maiores escritores de sua época. 

“O Estrangeiro” é merecidamente sua obra mais importante, na qual suas ideias filosóficas são trabalhadas de uma forma sutil e de forma mais envolvente do que seus ensaios. Não conseguimos desgrudar do livro.  O romance é um relato em primeira pessoa da vida de M. Mersault desde o momento da morte de sua mãe. Embora Mersault tenha participado do funeral de sua mãe, não faz questão de ver o corpo, muito embora ele tenha curiosidade em verificar os efeitos do calor e da umidade na sua decomposição. A morte dela não muda nada em sua vida. Em outras palavras, podemos dizer que a morte de sua mãe não tem nenhum significado para ele. Ele tem a consciência da falta de sentido de todos os esforços em face à morte: ele não tem a ambição de avançar em sua carreira profissional, ele é indiferente a estar com amigos. Aceita se casar com Marie, não por vontade dele. Ele simplesmente diz que não a ama, para ele não faz a menor diferença casar ou não. Era indiferente. Mantém um distanciamento irônico típico de um herói concebido do absurdo. Ele não participa da vida não se envolve com ela. Vive o presente, livre de qualquer sistema de valores. Ao invés Em vez de se comportar de acordo com as normas sociais, Mersault tenta viver uma vida honesta, fazendo o que ele quer fazer. Recusa-se a simular sentimentos que ele não possui, e, portanto, ele não se força a chorar no funeral de sua mãe ou a lamentar sua morte profundamente. Mersault é um personagem aparentemente não emocional que "não se preocupa com nada" e afirma mais de uma vez que "não importa de qualquer maneira".

LER+

 

20
Jan22

O PROCESSO | FRANZ KAFKA

BE - ESJP

Franz_Kafka_Oliver_Quinto.jpg 

«O Processo» é um romance de 1914, perturbador, sufocante, mas tragicamente verosímil: «Alguém devia ter caluniado Josef K., visto que uma manhã o prenderam, embora não tivesse feito qualquer mal. A cozinheira da sua senhoria, a senhora Grubach, que todos os dias, pelas 8 horas da manhã, lhe trazia o pequeno-almoço, desta vez não apareceu. Tal coisa jamais acontecera. K. ainda se deixou ficar um instante à espera. Entretanto, deitado, com a cabeça reclinada na almofada, observou a velha do prédio em frente que o contemplava com uma curiosidade fora do vulgar; depois, intrigado e cheio de fome, tocou a campainha. Nesse momento bateram à porta, e um homem, que K. jamais vira na casa da senhora Grubach, entrou no quarto»… O texto, deixado incompleto, conta a história de um bancário que é processado sem saber o motivo. Josef K é perseguido e condenado, desconhecendo as causas da acusação. Apenas sabe, estupefacto, que há um processo judicial contra ele, mas não pode consultá-lo. É obrigado, assim, a percorrer os labirintos da burocracia e da administração, a seguir ritos inconsequentes, a comparecer em tribunais absurdos, a submeter-se a ordens contraditórias e desconexas. Em dado passo, a realidade transforma-se em confusos pesadelos. Foi Max Brod, o editor amigo de Franz Kafka, quem revelou postumamente ao público, em 1925, «O Processo», pertencendo-lhe a escolha e a sistematização dos textos, reeditados com acrescentos em 1935 e 1946. Isto, apesar das orientações deixadas pelo autor no sentido de deverem ser queimados os inéditos. Explica Jorge Luís Borges: «Kafka não quis publicar muito em vida e pediu que destruíssem sua obra, o que me lembra o caso de Virgílio, que também encarregou seus amigos de destruírem a não concluída “Eneida”. A desobediência destes fez com que, felizmente para nós, a obra se conservasse. Eu acho que nem Virgílio nem Kafka queriam, na realidade, que os seus trabalhos fossem destruídos. Senão eles mesmos ter-se-iam encarregado do trabalho. Se eu atribuo a tarefa a um amigo, é um modo de dizer que não me responsabilizo». E Max Brod esclarece: «Em Junho de 1920, fiquei com o manuscrito de “O Processo” e pu-lo imediatamente em ordem. Não tinha título, mas Kafka em conversa intitulara-o sempre “O Processo”. A divisão em capítulos e os títulos são do próprio. A ordem é do meu critério. Contudo, como o meu amigo me havia lido uma grande parte do romance, pôde o meu sentimento apoiar-se, na colocação em ordem dos papéis, na lembrança da leitura. Franz Kafka considerava o romance inacabado. Antes do capítulo final deveria ainda descrever algumas fases do misterioso processo. Mas como este, segundo o autor, jamais devia atingir a suprema instância, o romance era, em certo sentido, inacabável, isto é, infinitamente prolongável».

Agostinho de Morais

18
Jan22

QUEM TRAIU ANNE FRANK

BE - ESJP

transferir.png

77 anos após a sua morte, livro revela que Anne Frank pode ter sido traída por um notário judeu.

Arnold van den Bergh pode ter revelado o esconderijo de Anne Frank em Amsterdão para salvar a sua própria família, segundo uma investigação que durou seis anos e que se refletiu na obra "The Betrayal of Anne Frank" ("A Traição de Anne Frank", em tradução livre) da autora canadiana Rosemary Sullivan, a ser publicado esta terça-feira.

As acusações contra Van den Bergh, que morreu em 1950, são baseadas em várias provas, incluindo uma carta anónima enviada ao pai de Anne, Otto Frank, após a Segunda Guerra Mundial, segundo trechos publicados pelos media neerlandeses nesta segunda-feira.

O Museu Anne Frank disse à AFP que a investigação, liderada pelo agente aposentado do FBI Vincent Pankoke, é uma "hipótese fascinante", mas são necessárias mais investigações.

As teorias sobre como os nazis chegaram ao esconderijo que a família Frank ocupou por dois anos, até serem descobertos em a de agosto de 1944, são abundantes, mas o nome de Van den Bergh não recebeu muita atenção.

Esta nova investigação foi feita a partir de técnicas modernas, incluindo o uso de inteligência artificial para analisar grandes quantidades de dados.

Assim, a lista de suspeitos foi reduzida a quatro pessoas, incluindo Van den Bergh, que foi membro fundador do Conselho Judaico, uma organização que os nazis impuseram aos judeus para organizar deportações.

Os investigadores descobriram que Van den Bergh conseguiu evitar a deportação, mas que essa ordem foi revogada perto do suposto momento de traição que permitiu aos nazis encontrar a família Frank.

Após o ataque, a família foi deportada e Anne e a sua irmã morreram no campo de Bergen-Belsen no ano seguinte. O seu pai publicou postumamente o seu diário, que já vendeu mais de 30 milhões de cópias.

 

10
Jan22

A METAMORFOSE | FRANZ KAFKA

BE - ESJP

a-metamorfose-franz-kafka-ilustração-2.jpg

A novela de Kafka começa de uma forma direta. O clímax do enredo é apresentado logo de início, e tudo o que ocorre na história é desdobramento desse primeiro acontecimento. A falta de uma explicação maior sobre o ocorrido não desfaz nem um pouco a verossimilhança da novela.

Como o fato é dado a priori, não temos alternativas além de aceitá-lo e continuar a leitura. Todos os fatos que se seguem estão de pleno acordo com a transformação de Gregor. Transformar um fenômeno desse tipo em algo plausível desde o princípio é um dos maiores méritos de A Metamorfose.

O próprio estilo da narrativa contribui para essa verossimilhança. A construção das frases de Kafka é precisa, tem poucos floreios e adjetivos inúteis, o que dá um tom de relato - quase burocrático - ao enredo.

Uma característica da literatura de Kafka é a presença de acontecimentos extraordinários que, sem nenhuma explicação, envolvem a narrativa. Não é apenas o estilo que suporta os fatos incomuns, a própria narrativa também os suporta.

Em A Metamorfose é a reação de Gregor, ao continuar agindo naturalmente, que nos leva a aceitar mais facilmente o fato de ele se ter transformado num inseto gigante. As suas maiores preocupações são com o trabalho e com a família.

O que mais consome o protagonista, perante tudo que está vivendo, é estar atrasado para o trabalho e a ameaça de perder o seu emprego. Como as suas preocupações continuam sendo as de uma pessoa "normal", a sua transformação em inseto é amenizada.

LER + aqui

 

10
Jan22

FRANZ KAFKA

BE - ESJP

1200px-Kafka.jpg

Franz Kafka (1883-1924) foi escritor checo, de língua alemã, considerado um dos principais escritores da Literatura Moderna. Suas obras retratam a ansiedade e a alienação do homem do século XX.

Franz Kafka nasceu em Praga, na época do Império austro-húngaro, na atual República Checa, no dia 3 de julho de 1883. Era filho de Julie Kafka e de Hermann Kafka, rico comerciante judeu.

Cresceu sob a influência das culturas judia, checa e alemã. Sua infância e adolescência foram marcadas pela figura dominadora do pai para quem apenas o sucesso material era importante.

De 1901 a 1906 estudou direito na Universidade de Praga, onde conheceu seu grande amigo Max Brod, seu posterior biógrafo.

Ainda estudante, frequentava os círculos literários e políticos da pequena comunidade judaica onde circulavam ideias e atitudes críticas e inconformistas, com que Kafka se identificava.

Após concluir o curso começou a trabalhar em uma companhia de seguros como inspetor de acidentes de trabalho. Apesar da competência profissional estava sempre insatisfeito, pois não podia se dedicar totalmente à atividade literária como desejava.

Carreira Literária

Kafka teve uma vida emocional conturbada intimidado pela educação severa recebida do pai e pelos noivados e amores infelizes. Tornou-se uma pessoa isolada e rebelde, comportamento que marcou profundamente sua obra.

Kafka só se sentia feliz quando sabia que estava distante da presença do pai e, essa felicidade era cheia de sobressaltos e temores.

O medo é um fator presente em sua obra, todos os seus personagens, que são seu próprio reflexo, são pessoas ou animais que temem algo e, nem mesmo podem explicar a origem e a causa de seu temor.

Em 1909 publicou “Descrição de Uma Luta”, quando manifestou o sentimento de solidão e desamparo que nunca o abandonaria.

Nessa perturbadora narração, que passou quase despercebida, o mundo dos sonhos, tema constante na sua produção, adquiriu uma desconcertante e persistente lógica no mundo da realidade.

Em 1910 começou a escrever os seus "Diários", escrito num caderno com letra nervosa e com trechos riscados e substituídos por outros.

Em 1915, Kafka conhece Milena, que vivia presa a um casamento que se estava a desfazer, o que aconteceu anos depois. Escreve no seu diário que o tempo e a felicidade já passaram e não há muito que esperar de uma existência desperdiçada entre lutas e temores. 

A Metamorfose

Em 1915, Kafka publicou A Metamorfose, em que o personagem acorda certa manhã, de um sonho agitado e se vê transformado em um imenso e repugnante inseto.

A história desenvolve-se num plano de absoluto realismo, com uma precisão de pormenores não somente plausíveis, mas até mesmo banais.

Kafka coloca na obra, sem compaixão e sem obedecer a esquemas políticos ou a conceitos sociológicos, a atmosfera pesada, sufocante e monótona da vida burguesa de uma casa de família.

O Processo

Na obra O Processo, o personagem central é o bancário Joseph K., que é preso e instaurado um processo contra ele por razões que nunca chega a descobrir.

Em geral a ação desenvolve-se num clima de sonhos e pesadelos e delírios misturados a fatos corriqueiros que compõem uma trama em que a irrealidade raia quase a loucura.

O Processo foi escrito entre 1914 e 1915, porém foi deixada inacabada e sem título. A obra só foi publicada em 1925 por seu biógrafo.

Últimos anos

Em 1917, Franz Kafka afastou-se do trabalho devido a uma tuberculose e submeteu-se a longos períodos de repouso. Em 1922 deixou definitivamente o emprego e passou o resto da vida em sanatórios e balneários.

Em 1923 conheceu Dora Dymant que se tornou uma companheira dedicada e o acompanhou em suas estadias nos sanatórios

Franz Kafka faleceu em Kierling, perto de Viena, Áustria, no dia 3 de junho de 1924, com apenas 41 anos.

in ebiografia

 

 

 

10
Jan22

UM AUTOR POR MÊS | FRANZ KAFKA

BE - ESJP

599056_franz-kafka_ing5l3.jpg

“Franz Kafka nasceu a 3 de julho de 1883 em Praga, onde o pai era negociante. Pressionado por este, com quem tem difíceis relações, estuda direito numa universidade alemã. A sua  adolescência será marcada pelo ambiente muito particular de Praga, onde se entrecruzam as fraquezas e as contradições da velha Europa.(…) Doutor em direito, entra para uma companhia de seguros em 1907, mas a sua natureza complexa vai adaptar-se dificilmente à vida profissional. Em 1910 começa a escrever os Diários que irá manter com regularidade até 1923.”

LER + AQUI

 

15
Dez21

SUGESTÃO DE LEITURA | UM LIVRO PARA IR AO TEATRO

BE - ESJP

Banner.png

“Sim, porquê ir ao teatro? É certamente a questão que se coloca ao Martinho. Como vimos, a resposta « para nos divertirmos» é insuficiente. Etimologicamente – muitas vezes, a etimologia de uma palavra, de uma noção dá-nos pistas interessantes -, teatro significa « o lugar de onde se vê». Podemos então imaginar que vamos ao teatro para ver. Mas para ver o quê, Martinho?
- Para ver…  o mundo.
- Muito bem! É isso, para ver o mundo.  ( …) Para  ver que mundo? Ou antes, o mundo sob que forma?
(…)
Vamos ao teatro ver as ações dos homens e das mulheres que, 6gvemovidos pelas suas paixões e interesses singulares, entram em conflito uns com os outros. Na peça Antígona , de Sófocles, a heroína que dá o nome à tragédia quer a todo o custo enterrar o irmão, Polinices, que acabara de morrer; mas Creonte, o tio,que é o chefe da Cidade, proíbe-a de o fazer, acusando Polinices de traição. Antígona  não faz caso e é condenada e emparedada viva. Tão inflexível  quanto a sua sobrinha, Creonte  vê a infelicidade desabar sobre si próprio : o seu filho, Hémon, apaixonado por Antígona, e a sua própria esposa, Eurídice, suicidam-se.“

In Vou ao Teatro Ver o Mundo (2016), editora Imprensa Nacional-Casa da Moeda | Teatro Nacional de São João.

LER+

 

 

15
Dez21

CATÁLOGO PNL

BE - ESJP

Pssst_550x387_cartaz.png

Os livros recomendados pelo PNL2027 respeitantes ao 1.º semestre de 2021 já se encontram no Catálogo PNL. As sugestões de leitura incluem, como habitualmente, temas variados e destinam-se a todos os públicos – crianças, jovens e adultos.

Conheça os novos Livros PNL, descubra as novidades editoriais e faça de cada livro um amigo.

LER +