Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Biblioteca Escolar ESJP

20
Set21

JOSÉ AUGUSTO FRANÇA - MAIS QUE UM HISTORIADOR DE ARTE

BE - ESJP

j_a_franca.jpg

Nasceu em Tomar em 1922 e morreu neste sábado (18.09.2021) em Jarzé, localidade francesa perto de Angers, mas foi em Lisboa e Paris que José-Augusto França passou a parte mais produtiva da sua vida. Referência como historiador de arte e nos estudos olissipográficos, deixou também obra na ficção e na crítica de cinema.

A família de José-Augusto França mudou-se de Tomar para Lisboa quando este tinha cinco meses. Começa a sua extensa colaboração na imprensa aos 18 anos, ao escrever crítica de cinema para O Diabo. Em 1945, na sequência da morte do pai, que tinha negócios em Angola, passa um ano em África, mas não se adaptou e regressou a Lisboa, onde publicou um dos primeiros romances críticos do colonialismo, Natureza Morta. É nesta fase que se integra no movimento artístico e intelectual, aquando da criação do Grupo Surrealista de Lisboa, onde se dá com Mário Cesariny, Alexandre O"Neill ou Vespeira, tendo inclusive feito uma incursão na pintura e exposto no primeiro Salão Surrealista, em 1949.

Foi editor do Grande Dicionário de Língua Portuguesa e entre 1951 e 1956 editou o conjunto de cinco publicações Unicórnio, Bicórnio, Tricórnio, Tetracórnio e Pentacórnio, que antologiava inéditos de autores contemporâneos como Almada Negreiros, António Sérgio, Jorge de Sena, Eduardo Lourenço, Vitorino Nemésio, entre outros.

Em 1959, ruma a França, que já tinha visitado em 1946, e onde conhece figuras da cultura como Roland Barthes ou André Breton. Discípulo de Pierre Francastel, é aí que se licencia em Ciências Históricas e Filosóficas, tendo mais tarde completado doutoramentos em História (sobre a reconstrução pombalina de Lisboa, 1962) e em Letras (sobre o romantismo português, 1969) na Sorbonne. Anos mais tarde, entre 1980 e 1986 é diretor do Centro Cultural Português da Fundação Calouste Gulbenkian.

Com o 25 de Abril regressa a Portugal, onde cria o curso de História de Arte na Universidade Nova de Lisboa, mas, casado com uma historiadora de arte francesa, acaba por dividir-se entre Portugal e França.

Entre os cerca de cem livros que publicou escolheu 16 em 2017 para serem reeditados pela Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM). Entre estes destacam-se Lisboa Pombalina e o Iluminismo, A Arte em Portugal no Século XIX, A Arte em Portugal no Século XX, História da Arte Ocidental, 1750-2000 e Lisboa, História Física e Moral. Mas também são uma referência as suas monografias sobre Almada Negreiros e Amadeo de Souza-Cardoso.

Para breve, segundo a Lusa, a INCM prevê a publicação de Estudos das Zonas ou Unidades Urbanas de Carácter Histórico-Artístico em Lisboa, levantamento efetuado por José-Augusto França sobre o património da cidade, em 1967, e que inclui a proposta de Salvaguarda do Património Artístico Arquitectónico e Histórico dos Bairros Tradicionais da Cidade de Lisboa, com plantas, desenhos, um levantamento fotográfico de 292 imagens, realizado em 1968, e o texto do historiador.

Entre outras distinções, José-Augusto França foi agraciado com a Ordem do Infante D. Henrique (1991) e a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique (2006). "Numa época em que a arte portuguesa tem vindo a alcançar o reconhecimento internacional há muito devido, é justo lembrar o muito que devemos a quem incansavelmente produziu um discurso crítico e histórico sobre as artes em Portugal. E ninguém o faz com mais intensidade, sabedoria e distinção do que José-Augusto França", reagiu o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em nota de pesar.

Fonte DN.pt

Ver também AQUI

 

 

18
Mar21

VISITA AO MUSEU | MUSEU SOROLLA, MADRID

BE - ESJP

Museo_Sorolla_(Madrid)_07.jpg

O Museu Sorolla está localizado na casa do artista Joaquín Sorolla, nascido em Valência em 1863.

Sorolla construiu esta casa quando ele já era um artista conhecido e aqui viveu em 1911 com sua esposa e eterna musa, Clotilde García del Castillo e seus três filhos - María Clotilde, Joaquín e Elena.

Após a morte do artista em 1923, sua família doou a casa e suas coleções ao Estado e abriu como museu em 1932.

 

18
Mar21

VISITA AO MUSEU | A NATIONAL GALLERY DE LONDRES

BE - ESJP

P3598_005.pr_.jpg

A National Gallery Collection, em Londres, contém mais de 2.300 obras, incluindo muitas obras famosas, como 'Arnolfini Portrait' de van Eyck, 'Rokeby Venus' de Velázquez, 'Temeraire Fighting' de Turner e 'Sunflowers' de Van Gogh.

Todas as principais tradições da pintura da Europa Ocidental são representadas desde os artistas do final da Itália medieval e renascentista, até os impressionistas franceses.

 

23
Fev21

O CONHECIMENTO SECRETO - David Hockney

BE - ESJP

Captura de Ecrã (151).png

O artista David Hockney discute sua teoria de que os artistas usavam secretamente dispositivos óticos, como espelhos e lentes, na criação de seus trabalhos já no século XV. Exemplos da arte flamenga e italiana são estudados enquanto ele examina como pinturas famosas tiveram seus famosos mistérios resolvidos; ele também faz comparações com filmes modernos e imagens digitais.

Documentário 1/2

Documentário 2/2

 

05
Jan21

VISITA AO MUSEU | Museu da Acrópole Digital

BE - ESJP

DIGITAL_FEATURED.jpg

O Museu da Acrópole concluiu um importante programa de digitalização, com todas as suas exposições agora acessíveis de qualquer lugar do mundo.

O recém-inaugurado Digital Acropolis Museum exibe exposições em alta definição, ao lado de uma surpreendente variedade de aplicativos multimédia, incluindo jogos, vídeos e imagens 3D. É também o primeiro museu na Grécia a se tornar totalmente digital, abrindo caminho para outras instituições gregas que, esperamos, em breve seguirão seus passos

23
Out20

Uma História das Imagens

BE - ESJP

502x.jpg

Fazer imagens tem uma história que remonta talvez 100.000 anos, a uma concha africana usada como paleta de tinta. Neste livro, cada capítulo aborda uma questão importante: o que acontece quando tentamos expressar a realidade em duas dimensões? Por que a 'Mona Lisa' é linda e por que as sombras são tão raramente encontradas na pintura chinesa, japonesa e persa?