Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Biblioteca Escolar ESJP

07
Dez21

CARL JUNG | ENTREVISTA

BE - ESJP

Carl Gustav Jung, psicoterapeuta suíço, é conhecido pela comunidade da psicologia como o fundador da psicologia analítica. Contemporâneo de Sigmund Freud, chegou a trocar correspondência e ideias com o austríaco, acabando por se afastar deste por algumas divergências conceptuais (enquanto Freud conduzia as suas ideias à luz da sexualidade, Jung acreditava no peso dos fenómenos espirituais). Assim, o helvético construiu conceitos originais e abriu novas perspetivas de entendimento da mente humana, desdobrando-se da sombra de Freud a partir de ideias como os arquétipos e o inconsciente coletivo.

A psicologia analítica é um ramo da psicologia que estuda mais a fundo a mente humana, nomeadamente o consciente, o inconsciente e a relevância do passado e dos traumas no comportamento de um dado indivíduo. Integrando-se neste tipo Freud através dos conceitos sexuais e da psicanálise, foi Carl Jung que deu os primeiros passos numa incipiente e até controversa área de estudo. Começando pelo conceito de complexo, o suíço entendeu-o como um grupo de ideias inconscientes associadas a eventos ou experiências dotados de uma atividade psíquica intensa. Regularmente estimulados por contactos estabelecidos com outrem, a emoção e as imagens mentais aumentam de intensidade e em extensão temporal consoante a raiz e a dimensão do complexo. Por exemplo, uma dada música pode desencadear uma memória que envolva um alguém, podendo também este vir à tona através de um objeto ou de outro alguém que nos remeta ao primeiro.

Ler mais AQUI

 

 

29
Set21

O QUE APRENDEMOS COM A MÚSICA | COGITO

BE - ESJP

Filme completo da imperdível conversa sobre o significado da música, realizada a 23 de setembro no COGITO entre Rui Vieira Nery e Pedro Carneiro. Apenas um cheirinho:
Rui Vieira Nery define música: "No filme do Frankenstein estão a cozer pedaços de cadáver, carne morta, e depois ligam umas coisas, vem um raio, faz-se um clique, e o cadáver levanta-se.
Há um raio de energia que dá vida a pedaços de carne morta, e que escapa a qualquer tipo de análise".
 
Espreitar AQUI
 
... e mais AQUI
 
 
26
Abr21

LÍDIA JORGE

BE - ESJP

1501454.jpg

Escritora portuguesa, natural de Boliqueime (Algarve). Estudou Filologia Românica na Universidade de Lisboa, dedicando-se, depois, ao ensino liceal. Como professora, trabalhou em Angola e Moçambique, radicando-se posteriormente em Lisboa, onde é professora universitária e colaboradora de vários jornais e revistas. Membro de diversos júris de prémios literários e da Alta Autoridade para a Comunicação Social, os seus romances têm uma grande variedade temática. Estão sobretudo ligados aos problemas colectivos do povo português e às circunstâncias históricas e mudanças da sociedade nacional após o 25 de Abril de 1974, assim como à condição feminina. Têm sido, por vezes, associados à literatura sul-americana, pela presença, neles de elementos fantásticos. A cultura de tradição oral, a linguagem dos grupos arcaicos, os seus mitos e simbologias sociais, servem também o objectivo de reflexão sobre a identidade cultural portuguesa. A sua escrita reflecte a captação da oralidade, bem como uma estrurura narrativa em que se afirma, a par do discurso do narrador, o discurso das personagens. A perspectiva da narrativa desdobra-se assim num experimentalismo que marca, sobretudo, as suas primeiras obras.

Entrevista AQUI

11
Mar21

ELVIRA FORTUNATO - PRÉMIO PESSOA 2020

BE - ESJP

elvira-fortunato-a-cientista-portuguesa-premiada-p

Diz que não trabalha para prémios, mas já perdeu a conta aos que recebeu. Em 2020 a Comissão Europeia que distinguiu-a com o Impacto Horizonte 2020 pela criação do primeiro ecrã transparente com materiais ecossustentáveis. Elvira Fortunato, a mãe do "chip de papel", é um nome incontornável da ciência portuguesa.

Já lhe chamaram de Cristiano Ronaldo da Ciência e a comparação não incomoda. "Fico contente", diz. É sinal de que consegue, através do seu trabalho, "projetar um bocadinho" do que se faz aqui lá fora. Elvira Fortunato tem 57 anos e é uma referência da ciência em Portugal. Quando olha para o futuro diz que ele "é verde", mas ressalva que se queremos jogar na Liga dos Campeões há que agarrar oportunidades — até porque "os eletrões portugueses não são diferentes dos eletrões japoneses ou americanos"

Continuar a ler AQUI e a entrevista AQUI

 

 

11
Mar21

A PANDEMIA FOI O PRIMEIRO GRANDE ENSAIO A NÍVEL GLOBAL DE COMO SE PODE CONTROLAR POPULAÇÕES

BE - ESJP

boaventura de sousa santos.jpg

Boaventura de Sousa Santos nasceu em Quintela, freguesia de São Pedro de Alva, no distrito de Coimbra. Licenciou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra em 1963. No final do curso, rumou a Berlim para estudar filosofia do direito. Fez uma pós-graduação e viveu a experiência dos dois mundos da guerra fria separados pelo Muro de Berlim. Dois anos depois, regressou a Coimbra e durante um breve período foi assistente da Faculdade de Direito. Em finais dos anos 1960, partiu para a Universidade de Yale com o objetivo de se doutorar. A sua tese de doutoramento, publicada pela primeira vez em português em 2015 (Direito dos Oprimidos, Almedina), é um marco fundamental na sociologia do direito, que resultou do trabalho de campo centrado em observação participante numa favela do Rio de Janeiro.

Aqui em entrevista ao Sapo24

 

 

 

 

18
Fev21

Música - entrevista a Joana Carneiro

BE - ESJP

Captura de Ecrã (133).png

Joana Carneiro é, desde janeiro de 2014, Maestrina Titular da Orquestra Sinfónica Portuguesa. Em 2009 foi nomeada Diretora Musical da Sinfónica de Berkeley, sucedendo a Kent Nagano e tornando-se no terceiro diretor musical nos 40 anos de atividade desta orquestra. Joana Carneiro é Maestrina Convidada da Orquestra Gulbenkian e Diretora Artística do Estágio Gulbenkian para Orquestra (Orquestra de Jovens) da Fundação Calouste Gulbenkian.